Sergio, da Netflix: história comovente do diplomata da ONU Sergio Vieira de Mello

Sergio Vieira De Mello

O mais recente conto biográfico de sucesso da Netflix é o thriller épico Sergio.

Do diretor Greg Barker, que já fez o documentário homônimo de 2009, Sergio acompanha a vida de um herói e pacificador brasileiro da vida real Sérgio Vieira de Mello, que trabalhou como diplomata das Nações Unidas por mais de 34 anos.



No filme, Sérgio é interpretado pelo ator brasileiro Wagner Moura, famoso por interpretar o chefão das drogas Pablo Escobar na série de sucesso Narcos, da Netflix.

Também estrelando o filme está a bela cubana Ana de Armas, que foi aclamada por seus papéis em filmes como Blade Runner 2049 e Knives Out, e deve aparecer como femme fatale Paloma no filme de James Bond, No Time To Die.

Wagner Moura retrata o personagem-título em Sergio, da Netflix (Imagem: netflix)



Aqui, de Armas faz o papel de Carolina Larriera, economista e querida parceira de Sérgio.

Parece que vai ser uma saída intensa, romântica e dramática para o serviço de streaming, mas quanto disso está de acordo com a história verídica de Sérgio Vieira de Mello?

História verídica por trás do thriller épico da Netflix, Sergio

Sérgio Vieira de Mello was born on March 15, 1948, in Rio de Janeiro to diplomat Arnaldo Vieira de Mello and his wife Gilda.



Devido ao trabalho de seu pai como diplomata, Sérgio viveu em todo o mundo em Buenos Aires, Gênova, Beirute, Milão e Roma.

Depois de começar a estudar filosofia na universidade de sua cidade natal, as greves ali o levaram a continuar seus estudos na Europa.

Estudando na Suíça e depois em Paris, ele foi pego nos tumultos estudantis de 1968 contra Charles de Gaulle e foi ferido por um cassetete policial, causando uma desfiguração permanente em um olho.

Após esse período, ele se mudou para Genebra e conseguiu um emprego como editor nos escritórios do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados.

Sergio Vieira de Mello, Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, fala durante uma entrevista coletiva em Islamabad em 26 de fevereiro de 2003 (Imagem: Reuters)

Isso deu início a uma carreira extensa e intensa ao longo de quatro décadas como diplomata da ONU, o que o viu envolvido em vários esforços de pacificação.

Alguns de seus esforços mais notáveis ​​incluem liderar mediações após as hostilidades no Oriente Médio em 1982, repatriar 400.000 refugiados cambojanos e também esforços incansáveis ​​para impedir o massacre na Bósnia.

Após o trabalho nos Balcãs, Sérgio foi incumbido da tarefa altamente complicada de liderar Timor-Leste no seu nascimento como nação após a ocupação pelas tropas indonésias.

Foi uma grande conquista para a ONU ter sido um sucesso, pois ajudaram a criar uma estrutura institucional de um país prejudicado pela colonização.

m foto de arquivo de 4 de dezembro de 2002, o Representante Especial da ONU no Iraque, Sergio Vieira de Mello, gesticula durante uma coletiva de imprensa na sede europeia das Nações Unidas em Genebra (Imagem: Reuters)

Sérgio acabou conquistando o cargo de alto comissário da ONU em direitos humanos.

Em maio de 2003, ele foi convidado a se tornar o Representante Especial do Secretário-Geral da ONU para o Iraque, baseado em Bagdhad.

A postagem deveria durar quatro meses, mas de acordo com As melhores intenções pelo jornalista do New York Times James Traub, ele não gostou do cargo até ser persuadido pelo presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e sua secretária de Estado, Condoleezza Rice.

Diz-se que Bush era fã de Sérgio pelo uso da força militar contra o terrorismo em Timor-Leste, segundo o livro de Samantha Power, Sergio: A luta de um homem para salvar o mundo.

O Secretário-Geral Kofi Annan (R) apresenta o chefe de direitos humanos da ONU, Sergio Vieira de Mello, como Representante Especial da ONU para o Iraque nas Nações Unidas em Nova York (Imagem: Reuters)

Muitos acreditavam que Sérgio sucederia o chefe da ONU Kofi Annan em sua posição no topo da hierarquia das Nações Unidas.

Tragicamente, Sérgio foi morto no atentado do Canal Hotel em Bagdá em 19 de agosto de 2003.

O caminhão-bomba suicida matou 22 pessoas, incluindo Sérgio, e feriu mais de 100 outras.

O ataque viu 600 funcionários da ONU sendo evacuados do Iraque após a tragédia.

Foto tirada em 19 de agosto de 2003 mostra um carro queimando do lado de fora da sede das Nações Unidas no Canal Hotel, no leste de Bagdá, depois que uma grande explosão abalou o prédio, deixando várias pessoas mortas (Imagem: AFP)

Abdel Aziz Awraz Mahmoud Saeed foi capturado no Iraque em 2007 e disse que estava preparado para revelar seu envolvimento na tragédia antes de ser sumariamente executado, apesar da pressão internacional para uma investigação sobre o bombardeio de todas as falhas que levaram à morte de Sérgio.

Abu Musab al-Zarqawi, líder da organização terrorista Jama & apos; em al-Tawhid wal-Jihad, assumiu a responsabilidade pelo atentado em abril de 2004, dizendo que Sérgio tinha sido alvo devido ao seu trabalho em Timor Leste.

Sérgio recebeu postumamente o Prêmio das Nações Unidas na Área de Direitos Humanos em 2003 e recebeu inúmeros aplausos desde sua morte.

A antiga sede da ONU em Bagdá, cenário de um enorme carro-bomba em 19 de agosto, que matou 22 pessoas, incluindo o enviado especial da ONU ao Iraque, Sergio Vieira de Mello (Imagem: AFP / Getty Images)

À época de seu falecimento, Sérgio era casado com sua esposa há trinta anos, Vieira de Mello, com quem teve dois filhos, Adrien e Laurent,

Vieira cuidou de seus filhos ao longo da carreira internacional de Sérgio e decidiu continuar seu trabalho com os filhos após sua morte.

'Ele era um homem de ação, de negociações, que gostava de conhecer pessoas e tentar entender os conflitos', disse sua viúva à Reuters.

'Ele gostava de reunir as pessoas para encontrar uma solução, por isso a fundação se baseia na ideia de diálogo entre comunidades em conflito.

Wagner Moura as Sergio Vieira de Mello (centre) and Ana de Armas as Carolina (right) in Sergio (Imagem: PA)

No momento de sua morte, porém, Sérgio mantinha um relacionamento com a colega e namorada Carolina Larriera.

Ela estava com o diplomata no momento de sua morte e era uma sobrevivente do bombardeio.

Desde que ele foi morto, Carolina falou sobre o relacionamento deles e o que ela considerou uma falha do governo dos Estados Unidos em fornecer respostas em torno de sua morte.

Ela escreveu no Huffington Post em 2013, como o casal se conheceu e se apaixonou durante a 'coação e adversidade' da missão de Sérgio em Timor.

O filme Sergio retrata a história de amor do humanitário com Carolina (Imagem: netflix)

Carolina revelou: 'Depois de completar com sucesso a missão em Timor, Sergio e eu voltamos para Nova York. Nossa vida seguiu em relativa serenidade, até que Sergio recebeu a notícia de sua nomeação como Alto Comissário para os Direitos Humanos.

No entanto, tudo isso mudou quando a dupla foi incumbida de trabalhar no Iraque em um mundo pós 11 de setembro, mas seu amor foi fortalecido.

por que meu seguro de carro aumentou

Ela escreve: 'Não éramos estranhos à insegurança, e nossa vida juntos sempre foi dominada pelo risco e pela incerteza.

'O espectro de ódio e tragédia que pairava sobre Bagdá apenas fortaleceu nosso relacionamento, sem que nós soubéssemos, nossos últimos momentos juntos.'

Consulte Mais informação

Sugestões do editor do showbiz
Kate chorosa diz que as crianças & apos; perderam o pai & apos; Jeff compartilha fotos do parecido com Freddie Depp acabou com o casamento de Amber por causa de cocô Kate Garraway confirma devolução do GMB

A economista acrescenta que culpou não apenas os terroristas que o mataram, mas também os políticos americanos.

'Minha vida também foi abalada pelas instruções dos mais altos funcionários da burocracia e dos Estados Unidos', acrescentou ela, 'cobrindo as circunstâncias deste ataque com um manto de silêncio e tentando distorcer e reescrever a história de Sergio, nosso relacionamento e a negligência absurda em que ele morreu. '

O que é certo de tudo isso, porém, é que o legado pacificador de Sérgio não será esquecido.

Sergio já está à venda no Netflix.

O que você achou do Sergio no Netflix? Deixe-nos saber sua opinião sobre o filme nos comentários abaixo.